BLOG IPECONT

Confira as novidades! Se inscreva e receba notícias diariamente.




Pressclipping

Publicado por IPECONT em 25/09/2020 14:17:21

Em 25 de Setembro de 2020

“O homem de bem exige tudo de si próprio;
o homem medíocre espera tudo dos outros.”
(Confúcio)

10 igrejas que devem R$ 382 milhões à União

A dívida de atividades religiosas com a Fazenda Nacional soma R$ 1,5 bilhão.

Os dez maiores inadimplentes com a União a desenvolver atividades religiosas devem R$ 382,3 milhões aos cofres públicos. A maior parte dos débitos devidos pelas organizações religiosas estão ligadas a contribuição previdenciária.

A lista está presente no site da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), ligada ao Ministério da Economia. A maior devedora entre as entidades religiosas ativas é a Associação das Famílias para Unificação e Paz Mundial Brasil.. A associação cristã deve R$ 99,2 milhões à União, em débitos não especificados.

A segunda da lista é a Igreja Mundial do Poder de Deus, fundada em 1998 pelo apóstolo Valdomiro Santiago. O CNPJ da igreja é ligado a R$ 91,4 milhões em débitos tributários, sendo que R$ 55,5 milhões deste total diz sobre pendências relativas à contribuição previdenciária.

A igreja de Santiago ainda consta como irregular em outras obrigações enquanto empresa: a Mundial deve, segundo a PGFN, R$ 5,9 milhões em FGTS não recolhidos, R$ 4,2 milhões em multas trabalhistas não pagas, e R$ 25,7 milhões em débitos tributários não especificados.

O top 10 de desfalque aos cofres públicos conta também com a Igreja Internacional da Graça de Deus (R$ 37,8 milhões), Associação Vitória em Cristo (R$ 35,9 milhões), Igreja Renascer em Cristo (R$ 33,4 milhões), Centro Islâmico Brasileiro (R$32,7 milhões), Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e de São Benedito dos Homens Pretos (R$ 18 milhões), Mosteiro de São Bento da Bahia (R$ 13,4 milhões) e Igreja da Lagoinha (R$ 10,1 milhões). O Centro Islâmico é o único devedor na lista dos 100 maiores devedores a não pertencer à matriz cristã.

Dívidas igrejas

A soma de toda a dívida de atividades religiosas com a Fazenda Nacional é de R$ 1,5 bilhão –apesar de mais de 8.800 empresas estarem listadas, apenas 39 devem mais de R$ 1 milhão. A lista inclui também atividades desenvolvidas por estas religiões, tais como serviços educacionais, de publicação de livros e gerenciamento de hospitais.

Há, neste montante, débitos de organizações que já não operam mais – como o Instituto Geral Evangélico, maior devedor da lista, com R$ 523 milhões em dívidas, e a Ação e Distribuição, empresa de fachada desmantelada em 2012 pela Polícia Federal e que hoje tem R$ 385 milhões em dívidas.

Os débitos das organizações religiosas, em sua maioria compostos de contribuições previdenciárias não recolhidas, são anteriores à 2015. Naquele ano, uma lei permitiu que organizações religiosas não recolhessem o tributo dos vencimentos de ministros, pastores e padres.

Hoje, o presidente Jair Bolsonaro vetou proposta do Congresso Nacional para perdoar dívidas relativas à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) , mas afastou em definitivo a contribuição previdenciária. A Lei 14.057, aprovada hoje, ratifica o entendimento e anula quaisquer multas ou autuações feitas pela Receita Federal até hoje sobre o tema.

Fonte: Congresso em Foco

Bolsonaro lidera corrida eleitoral para 2022 com 35%; Lula tem 21%

  • Em eventual 2º turno, há empate
  • Pesquisa realizada pelo PoderData
  • Moro fica em 3º lugar, com 11%
  • Haddad tem 10% em 2º cenário
Bolsonaro e Lula: atual presidente está 14 pontos percentuais à frente do petista. Em eventual 2º turno, ambos aparecem empatados Sérgio Lima/Poder360

Pesquisa realizada pelo PoderData mostra o presidente Jair Bolsonaro à frente na corrida eleitoral para 2022, com 35% das intenções de voto. O ex-presidente Lula (PT) aparece em 2º lugar, com 21%.

O ex-ministro Sergio Moro foi citado por 11% dos entrevistados. Outros 11% afirmaram que iriam votar branco ou nulo.

Parte inferior do formulário Os dados foram coletados de 14 a 16 de setembro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 459 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é realizada em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Em 2018, mesmo preso em Curitiba, Lula foi registrado candidato à Presidência da República. Seu vice foi Fernando Haddad, que acabou encabeçando a chapa quando o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) rejeitou a candidatura do petista.

Hoje, o cenário é diferente. Lula foi solto em novembro de 2019. Também há 1 processo no STF (Superior Tribunal Federal) que pede a suspeição do ex-juiz Sergio Moro na operação Lava Jato. Atualmente, o político está inelegível pela Lei da Ficha Limpa. Tenta na Justiça recuperar seus direitos políticos.

A decisão dos ministros da Corte, se favorável a Lula, pode anular 1 dos processos que impedem o petista de se candidatar. O ministro Gilmar Mendes já afirmou que quer pautar o tema “assim que possível”.

Além de duas condenações (casos tríplex do Guarujá e sítio de Atibaia), Lula enfrenta duas denúncias da Lava Jato em Curitiba, 4 ações na Justiça Federal do Distrito Federal e uma na Justiça Federal de São Paulo.

HIGHLIGHTS DEMOGRÁFICOS

PoderData separou recortes para as respostas à pergunta sobre as intenções de voto em 2022. Foram analisados os perfis por sexo, idade, nível de instrução, região e renda.

Jair Bolsonaro 

  • melhor entre: homens (42%); residentes do Centro-Oeste (51%); e desempregados ou sem renda fixa (39%);
  • pior entre: mulheres (30%); os que têm de 16 a 24 anos (24%); os com ensino superior (23%); e residentes do Norte (24%).

Lula

  • melhor entre: os que têm de 45 a 59 anos (28%); os que ganham até 2 salários mínimos (26%) e de 2 a 5 salários mínimos (27%);
  • pior entre: os que ganham mais de 10 salários mínimos (12%).

Leia a estratificação completa no infográfico abaixo:

APOIADORES DE BOLSONARO

PoderData analisou as intenções de voto dos entrevistados conforme a avaliação sobre o trabalho de Bolsonaro como presidente.

Quase metade (49%) dos que consideram o chefe do Executivo “ruim” ou “péssimo” afirmaram que votariam em Lula. Já entre os que acham o presidente “regular”, 23% preferem Sergio Moro.

Quase 8 em 10 (78%) dos que avaliaram positivamente (“ótimo” + “bom”) o trabalho do presidente querem sua reeleição.

CENÁRIO 2

Os entrevistados também foram consultados sobre as intenções de voto em 1 cenário com Fernando Haddad (PT) na disputa, em vez de Lula. Nessa simulação, Jair Bolsonaro permanece com a preferência de 35% dos eleitores. Aparecem empatados na 2ª posição Sergio Moro (13%) e Fernando Haddad (10%), considerando a margem de erro.

O petista empata ainda tecnicamente com Ciro Gomes (7%) e Luiz Henrique Mandetta (7%), do DEM.

Os percentuais variaram dentro da margem de erro desde a última vez que o PoderData abordou o assunto, no início de agosto.

Como no 1º cenário, Bolsonaro se sai melhor entre homens (41%), moradores do Centro-Oeste (46%) e os que recebem de 2 a 5 salários mínimos (42%).

Já Moro se sai melhor entre os que têm 60 anos ou mais (18%), os com ensino superior (18%), os moradores do Centro-Oeste (18%) e os que ganham até 2 salários mínimos (19%) e de 5 a 10 salários mínimos (21%).

Leia a estratificação completa e saiba onde qual candidato se sai melhor e pior:

APOIADORES DE BOLSONARO

Dos que rejeitam o trabalho do presidente, 25% afirmaram que votariam em Fernando Haddad, e 17%, em Mandetta.

Os que consideram a atuação de Bolsonaro “regular” preferem Moro, que tem 26% das intenções de voto nesse grupo. Já 78% dos que acham o trabalho do chefe do Executivo “ótimo” ou “bom” querem sua reeleição

2º turno: empate de Bolsonaro e Lula

Em 1 cenário com disputa entre Bolsonaro e Lula no 2º turno, há empate. Ambos têm 41%.

Os resultados são parecidos quando os entrevistados são questionados sobre a possibilidade de uma disputa entre Bolsonaro e Moro. Nesse caso também há empate, considerando a margem de erro do estudo, de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

PT: candidato de fora, só com voto

A presidente nacional do partido e deputada federal Gleisi Hoffmann (PR) afirmou em entrevista ao Poder em Foco veiculada no último domingo (13.set.2020) que é “possível” seu partido fazer uma composição com outra sigla de esquerda e abrir mão da cabeça de chapa na eleição presidencial DE 2022. Ela afirma, no entanto, que é preciso que o candidato da outra sigla tenha voto para assumir essa posição.

Neste momento, mostra o PoderData, não há nenhum nome de esquerda à frente de Lula ou Haddad.

Fonte: PoderData

IGP-M acelera alta na 2ª prévia de setembro a 4,57%, diz FGV

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis (Imagem: Agencia Brasil/ Tânia Rêgo)

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) passou a subir 4,57% na segunda prévia de setembro, ante alta de 2,34% no mesmo período do mês anterior, refletindo a aceleração contínua da inflação ao produtor, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, disparou a 6,36% no período, contra alta de 3,15% na segunda prévia de agosto.

O principal destaque nessa leitura partiu do grupo Matérias-Primas Brutas, que acelerou a alta de 5,60% no segundo decêndio de agosto a 11,31% no mesmo período de setembro, refletindo a inflação em commodities como o minério de ferro (17,01%) e soja (12,53%), que juntos responderam por 42% do resultado do IPA.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice geral, apresentou alta de 0,38% na segunda prévia de setembro, contra ganho de 0,41% em agosto.

O movimento de leve desaceleração da inflação ao consumidor foi liderado pela queda de 0,50% registrada no grupo de Saúde e Cuidados Pessoais, que havia saltado 0,54% na segunda prévia de agosto.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou alta de 0,98% no período, depois de subir 0,96% na segunda prévia de agosto.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

A segunda prévia do IGP-M calculou as variações de preços no período entre os dias 21 do mês anterior e 10 do mês de referência.




Boletim Departamento Pessoal – Recursos Humanos

Publicado por IPECONT em 24/09/2020 16:40:13

Em 24 de Setembro de 2020

“A responsabilidade da tolerância está com os que têm a visão mais ampla. ”
(George Eliot)

Pix – Nova Plataforma de Operações Bancárias Deve dar Fim ao DOC e TED

O Banco Central do Brasil publicou em 13.08.2020 a Resolução DC/BACEN 1/2020, que instituiu o arranjo de pagamentos Pix e aprovou o seu Regulamento.

O Pix deve revolucionar a forma de como as operações bancárias são feitas, ou seja, de como os brasileiros irão enviar e receber dinheiro de uma conta para outra.

Como Funciona Hoje

Atualmente a transferência de dinheiro de uma conta bancária para outra é feita por meio de 3 formas principais:

  • Transferência Eletrônica Financeira (TEF): são transferências realizadas entre contas do mesmo banco;
  • Documento de Ordem de Crédito (DOC): são transferências realizadas entre contas de bancos diferentes e com limites de horários (normalmente das 00h às 21:30h). Na transferência via DOC, o valor transferido só cai na conta do destinatário no dia seguinte; e
  • Transferência Eletrônica Disponível (TED): são transferências realizadas entre contas de bancos diferentes e com limites de horário (normalmente das 07h às 17h). Na transferência via TED, o valor transferido cai na conta do destinatário no mesmo dia. 

São formas práticas e eletrônicas de transferir dinheiro de uma conta para outra entre o mesmo banco ou entre bancos diferentes, sem que seja necessário o cliente realizar saques, depósitos ou pagar um boleto, evitando gastar tempo em filas de banco ou lotérica.

Atualmente, para realizar uma transferência via TED ou DOC, é preciso ter em mãos alguns dados do beneficiário (quem vai receber o dinheiro) e documentos para que a operação seja concluída com sucesso, tais como:

  • Nome completo e CPF ou CNPJ de quem vai receber o dinheiro;
  • Valor a ser transferido;
  • Tipo de conta (corrente ou poupança);
  • Dados bancários (agência, conta e código do banco) do destinatário.

Embora sejam relativamente simples, para cada operação de DOC ou TED realizada, a instituição bancária cobra, automaticamente na conta do cliente que está transferindo, um valor entre R$ 10,00 a R$ 20,00, além de limitar o horário dependendo da operação a ser feita.

Além disso, as transferências realizadas pelos clientes entre instituições bancárias precisa ser validada por algum empregado do banco, passam por precedimentos de segurança e, dependendo do horário que forem feitas, o dinheiro só estará disponível na conta do destinatário no dia útil seguinte.

Quem estabelece as regras para que as transferências sejam realizadas é o Banco Central.

Pix – Quando Começa e Como irá Funcionar

Esta nova plataforma irá permitir que as transações bancárias sejam feitas em até 10 segundos e o mais importante, sem custo para as pessoas físicas e a um custo bem mais baixo para as empresas.

Há instituições bancárias que irão ofertar estas transações para empresas também a custo zero.

O Pix poderá ser utilizado por qualquer pessoa (física ou jurídica) que possui conta em uma das instituições participantes do Pix, estabelecido pelo Banco Central do Brasil, podendo realizar as transações bancárias a qualquer dia (inclusive domingos e feriados) e a qualquer hora.

Conforme dispõe o art. 3º da Resolução DC/BACEN 1/2020, a participação no Pix é obrigatória para as instituições financeiras e para as instituições de pagamento autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil com mais de 500 mil contas de clientes ativas, consideradas as contas de depósito à vista, as contas de depósito de poupança e as contas de pagamento pré-pagas.

De acordo com o art. 9º da citada resolução, o Pix entrará em funcionamento:

  • no dia 3 de novembro de 2020, em operação restrita; e 
  • no dia 16 de novembro de 2020, em operação plena.

Veja abaixo os benefícios e as principais operações que poderão ser realizadas através do Pix:

Fonte: Resolução DC/BACEN 1/2020 – Banco Central do Brasil – 17.09.2020 – Adaptado pelo Guia Trabalhista.

13º salário pode ser reduzido pela metade devido suspensão de contratos

Especialista explica como o 13º salário vai ser afetado com a suspensão de contratos e redução de jornadas. Entenda!

Fonte: SESCON GF

Com a pandemia se instalando no Brasil, o governo precisou adotar medidas para conter os impactos econômicos para pequenas e grandes empresas. Entre elas, uma das medidas mais importantes foi os acordos de suspensão de contrato de trabalho e de redução de jornada e salário poderão.

Mas, diante disso, o pagamento do 13º salário dos trabalhadores também pode ser afetado neste ano. Parte dos trabalhadores não receberá o valor integral no fim do ano, devido à fórmula de cálculo do benefício.

Na prática, se a suspensão de contrato for feita pelo período máximo permitido de 180 dias (seis meses), o trabalhador receberá somente metade do abono.

As alterações no contrato de trabalho estão em vigor por meio da Lei 14.020/2020, criada para mitigar os efeitos da pandemia de Covid-19 no mercado de trabalho.

BEm

Como parte da tentativa de preservação do emprego formal, o governo instituiu o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e Renda (BEm) — uma complementação de renda ao empregado que aderiu ao programa. O auxílio, porém, não entra na base de cálculo do valor do 13º.

A legislação trabalhista determina que o abono deve ser calculado com base na quantidade de meses trabalhados. Para cada mês de trabalho, é devido ao empregado 1/12 do valor do salário. Ou seja, os meses não trabalhados (excluindo as férias) não são considerados.

Dessa forma, para os empregados com suspensão de contrato, os meses em que o acordo estava vigente não serão considerados no cálculo.

Simulação

A advogada Michelle Pimenta Dezidério, especialista em Direito Trabalhista do escritório Chediak Advogados, fez uma simulação em entrevista ao jornal Extra:

Se o empregado com salário mensal de R$ 2 mil teve o contrato de trabalho suspenso pelo período de quatro meses ao longo do ano, o novo valor do 13º será R$ 1.333,33. Ou seja, ele receberá R$ 166,66 de abono por mês em que trabalhou (R$ 2.000/12 = R$ 166,66). O pagamento corresponderá, portanto, a 8/12.

Quem teve o salário reduzido (em 70%, 50% ou 25%) também poderá receber o 13º menor, se o acordo de redução estiver em vigor no mês de pagamento do abono. Segundo especialistas, embora o mês que serve para a base de cálculo do benefício seja dezembro, nos casos em que há adiantamento em novembro poderá haver desconto:

“Se o salário for reduzido em novembro, a 1º parcela também será. Mas, se em dezembro o salário for integral, ele receberá integralmente. Se o salário de dezembro for menor, o abono também será proporcional à redução”, explica a advogada Maria Lucia Benhame.

Categorias mais afetadas

Segundo dados do Ministério da Economia, mais de sete milhões de trabalhadores tiveram seus contratos suspensos pelo programa. Os empregados domésticos estão entre as categorias mais afetadas pela medida e deverão sentir os cortes mais acentuados no 13º salário. Mas o patrão poderá, se desejar, pagar o valor integral e recompor a renda desse funcionário.

“Já havíamos alertado que, com a possibilidade de suspensão do contrato, o cálculo do 13º seria impactado. Entendemos que há os dois lados estão sofrendo com essa crise. O eSocial já faz o cálculo automaticamente com base nos meses trabalhados. Mas nada impede de o patrão, caso deseje, altere o valor a ser pago e complemente o abono. O sistema permite”, diz Mário Avelino, presidente do Instituto Doméstica Legal.

Quem também pode ser muito afetado são trabalhadores que tem salário variável, e que ganham por comissão, como os trabalhadores que ganham por vendas.

Nesses casos, o salário de dezembro não é usado como referência para o cálculo do benefício. As empresas costumam pagar o 13º com base na média salarial do ano, e estão considerando os períodos de suspensão e redução no cálculo.

“Muitas empresas estão procurando orientação jurídica quanto a isso. Algumas estão considerando a média do salário previsto em contrato. Outras pelo o que de fato pagaram durante o ano. Eu considero que o valor a ser pago deve ser o contratual, mas isso é passível de interpretação, e algumas empresas estão usando isso em seu favor”, explica Juliana Bracks, advogada do escritório Bracks Advogados.

Efeitos Covid: Polêmica na apuração do cálculo no 13º de 2020

Em novembro e dezembro de 2020, o empregador deverá efetuar o pagamento da 1a. e da 2a. parcela do 13o.salário de 2020. Em um ano turbulento em função da pandemia do COVID 19, há muita controvérsia sobre a forma de apuração do direito do empregado.

 1 –   Diversas formas de cálculo do 13º. Salário em 2020

Com a proximidade do pagamento do 13º salário/2020, nos meses de novembro e dezembro próximos, há grandes incertezas sobre a forma de cálculo e seus impactos no direito de recebimento pelo empregado, devido as medidas adotadas pelo Governo Federal, como forma de amenizar os impactos econômicos gerados pelo COVID-19, instituídas primeiramente pela Medida Provisória 936/2020, e que em seguida foi convertida na Lei 14.020, de 06/07/2020, com vigência retroativa a 01/04/2020.

Essa Lei 14.020, inicialmente previa a redução de jornada de trabalho em 25%, 50% e 75% e também a suspensão de 100% do contrato de trabalho, por 90 dias. Em seguida o Decreto 10.422/2020, de 13 /07/2020, prorrogou para até 120 dias e logo depois o Decreto 10.470, de 24/08/2020, estendeu a possibilidade das alterações de jornada e suspensão de contrato para até 180 dias.

Diante disso, de forma prática, poderemos ter em um cadastro de empregados, com direitos de avos de 13º. Salário, diferentes em função do tipo de Acordos de Redução ou Suspensão, que cada um tenha feito durante o período de abril a dezembro de 2020, uma vez que o critério de cálculo será por mês efetivamente trabalhado e não simplesmente por tempo de serviço.

2 –   Apuração do cálculo em tempos normais

Em tempos normais anteriores, lembramos que o valor a ser pago ao empregado, referente ao 13º salário, é calculo em função do número de meses trabalhados dentro do ano-calendário, que vai de Janeiro a Dezembro de 2020.

Assim, o valor do 13º Salário é computado à razão de 1/12 da remuneração devida no mês de Dezembro de 2020, conforme estabelecida pela Lei 4.090 de 13/07/1962, no artigo 1º, parágrafo 1º, o e parágrafo 2º:

“…

Art. 1º – No mês de dezembro de cada ano, a todo empregado será paga, pelo empregador, uma gratificação salarial, independentemente da remuneração a que fizer jus.

  • 1º – A gratificação corresponderá a 1/12 avos da remuneração devida em dezembro, por mês de serviço, do ano correspondente.
  • 2º – A fração igual ou superior a 15 (quinze) dias de trabalho será havida como mês integral para os efeitos do parágrafo anterior.

…”

Em 2020, para os empregados que não tiveram qualquer Acordo de Suspensão, permanece esse critério. Inclusive para os que tiveram Acordos de Redução de Jornada, que para efeitos de 13º. Salário não terão qualquer modificação sobre o critério de anos normais e não há dúvidas sobre o direito de recebimento do 13º salário integral, pois independente da porcentagem de redução, houve prestação de serviço, pelo empregado, em todos os meses.

3 –   Cálculo específico 13º. Salário em 2020 – Acordos de Suspensão

Para os empregados que em 2020, de abril a dezembro, tenham firmado Acordo de suspensão do contrato de trabalho, entende-se que durante o período de vigência da Suspensão do Contrato (qualquer período de tempo até 180 dias), o empregado não prestou serviços, portanto, o empregador não tem obrigação de pagar salários e avos correspondentes de 13º. Salário.

Considerando que o período de suspensão de contrato de trabalho, pode durar até 180 dias (06 meses), os trabalhadores contemplados com essa medida, poderão ter o recebimento do 13º salário até pela metade em 2020, dependendo do tempo acumulado em Acordos de Suspensão.

É importante ressaltar que, o cálculo de direito ao avo do 13º salário é mensal, ou seja, a cada 15 dias trabalhados dentro de cada mês, o funcionário adquire o direito de recebimento daquele avo. Por isso, deverá verificar o início e término da suspensão de contrato de trabalho, uma vez que pode-se iniciar entre o meio e fim do mês e o funcionário já ter adquirido o direito do avo mensal.

Exemplo:

O funcionário X, com a suspensão de contrato de trabalho por 60 dias, iniciando em 16/04/2020  e terminando em 14/06/2020, terá o seguinte cálculo:

– Na folha de pagamento de Abril, houve pagamento de  15 dias de trabalhos normais.

– Não houve folha de pagamento de maio, pois o contrato estava suspenso;

– Na folha de pagamento de Junho, houve pagamento de 16 dias trabalhados (15/06/2020 a 30/06/2020).

Em tese, só houve o avo de 13ª salário perdido em maio, e em dezembro/2020 o funcionário terá direito ao recebimento de 11/12 avos de 13º salário/2020.

4 – Conclusão

O posicionamento técnico sobre a metodologia de apuração de cálculo do 13º. Salário de 2020, é o aqui descrito e minuciosamente detalhado.

No entanto, lembramos que, as medidas instituídas pela lei 14.020/2020 e toda a legislação que trata de efeitos de obrigações e direitos trabalhistas no período de calamidade pública são recentes e não há ainda, na legislação ou definição de instrução de procedimento, até o momento, do Ministério da Economia sobre os reais impactos da redução salarial e suspensão de contrato.

Assim sendo, considerando que se trata de situação controversa e polêmica, ainda sem decisões em Tribunais, recomendamos que o mais sensato para esses tipos de casos com dúvidas na jurisprudência, é consultar sua Assessoria Jurídica, especializada em Direito Trabalhista, uma vez que na eventualidade de possíveis demandas judiciais, caberá ao advogado de sua confiança, a defesa e, portanto, a estratégia prévia deve ser por ele orientada e definida.

Fonte: Portal Contábeis por José da Rocha Pereira.




Vaga de Emprego

Publicado por IPECONT em 23/09/2020 19:02:14




Vaga de Emprego

Publicado por IPECONT em 22/09/2020 17:17:22




Boletim Contábil e Tributário

Publicado por IPECONT em 22/09/2020 15:58:36

Em 22 de Setembro de 2020

“die doppelte Buchführung … ist eine der schönsten Erfindungen des menschlichen Geistes..“
Goethe in „Wilhelm Meisters Lehrjahre“, 1. Buch, 10. Kapitel

Tradução da frase:

“A Contabilidade (método das partidas dobradas)… é uma das mais belas invenções da mente humana e todo o bom empresário deveria introduzi-la na sua administração.”
(GOETHE, citado por Martim Noel Monteiro, “A Contabilidade e o seu Mundo”, Ed. Portugália Editora, 1965

Posicionamento da Fenacon sobre as propostas de reforma tributária em andamento

A Fenacon produziu um e-book com o objetivo de destacar os pontos de atenção relacionados as propostas de reforma tributária em tramitação no Congresso Nacional. Até o momento foram apresentadas a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 110/2019, a 45/2019 e o Projeto de Lei 3887/2020, do governo federal.

Além de destacar a importância da aprovação de uma proposta justa para a retomada econômica e o desenvolvimento sustentável do Brasil, o material apresenta as inúmeras distorções no atual sistema tributário. Alta complexidade, guerra fiscal entre estados e municípios, além da insegurança jurídica são alguns dos problemas existentes.

De acordo com o posicionamento da Federação, é preciso acabar com o manicômio tributário existente no país, trazendo simplificação do sistema tributário, estabilidade legislativa nas mudanças tributárias e equidade fiscal. O e-book será enviado aos parlamentares para contribuição com o debate em torno do assunto.

Decisão do STF sobre Simples Nacional não afeta operações posteriores a 2008

Em julgamento virtual realizado no dia 4 de agosto do Tema 1050 da repercussão geral reconhecida no RE 1.199.021, decidiu o plenário do STF por unanimidade pela constitucionalidade do parágrafo único [1] do artigo 2º da Lei nº 10.147/2000, dispositivo que veda aos contribuintes optantes pelo Simples o benefício da alíquota zero pelo regime monofásico do PIS/Cofins

Embora o citado dispositivo tenha agora sido declarado constitucional, o que poderia restringir a aplicação do sistema monofásico aos contribuintes do Simples Nacional, tal decisão em nada implicará na sistemática atual aos citados contribuintes.

Isso porque o mandado de segurança que deu origem ao processo em questão foi impetrado anteriormente ao advento da LC 128/08, que mudou a sistemática e deu autorização legal aos contribuintes do Simples Nacional a usufruírem do citado benefício.

O dispositivo declarado constitucional foi editado sob a vigência do sistema chamado de Simples Federal, instituído pela Lei nº 9.317, de 5 de dezembro de 1996, e revogado pelo artigo 89 da Lei Complementar nº 123/06, que instituiu o Simples Nacional, sistema atual.

Na redação original da Lei Complementar nº 123/06, não havia disposição específica quanto a tributação das receitas provenientes da venda de produtos sujeitos à tributação concentrada (monofásicos) e, de fato, inexistia amparo legal para a segregação de receitas ou alteração dos percentuais relativos ao PIS e a Cofins.

Contudo, a partir das alterações promovidas pela Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008 (legislação posterior ao processo em questão), em especial a nova redação que seu artigo 3º atribuiu ao artigo 18, §4º, inciso IV e §12 da Lei Complementar nº 123, de 2006, o Simples Nacional passou a admitir a segregação e redução do valor a ser recolhido, senão vejamos:

“Artigo 18 (…) — §4º. O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: (…) IV – as receitas decorrentes da venda de mercadorias sujeitas a substituição tributária e tributação concentrada em uma única etapa (monofásica), bem como, em relação ao ICMS, antecipação tributária com encerramento de tributação” (cf. red. do artigo 3º da LC 128, de 2008).

Destaque-se que essa alteração só entrou em vigor em 1º de janeiro de 2009, conforme artigo 14, inciso II, da Lei Complementar nº 128, de 2008 e hoje seu teor é dado pelo artigo 18, §4º-A, introduzida pela Lei Complementar nº 147, de 7 de agosto de 2014.

Nessa senda, o tratamento tributário das receitas de vendas de mercadorias sujeitas à tributação concentrada ao PIS/Cofins, pelos contribuintes do Simples Nacional, também veio a ser disciplinado nos §§6º e 7º do artigo 25-A da Resolução CGSN nº 94, de 29 de novembro de 2011. E hoje é disciplinado pelos §§6º e 7º do artigo 25 da Resolução CGSN nº 140, de 22 de maio de 2018, nos seguintes termos:

“Artigo 25  (…)

§6º. A ME ou EPP que proceda à importação, à industrialização ou à comercialização de produto sujeito à tributação concentrada ou à substituição tributária para efeitos de incidência da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins deve segregar a receita decorrente de sua venda e indicar a existência de tributação concentrada ou substituição tributária para as referidas contribuições, de forma que serão desconsiderados, no cálculo do valor devido no âmbito do Simples Nacional, os percentuais a elas correspondentes. (Lei Complementar nº 123, de 2006, artigo 2º, inciso I e § 6º; artigo 18, § 4º-A, inciso I, § 12).

§7º. Na hipótese prevista no § 6º: I – a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins deverá ocorrer com observância do disposto na legislação específica da União, na forma estabelecida pela RFB; (Lei Complementar nº 123, de 2006, artigo 2º, inciso I e § 6º; artigo 18, § 4º-A, inciso I)”.

Cumpre destacar, ainda, pronunciamentos da Receita Federal do Brasil, feitos através de soluções de consulta, em que não resta dúvida da validade do entendimento aqui mencionado, são alguns exemplos: Solução de Consulta nº 173 — Cosit, de 25 de junho de 2014; Solução de Consulta nº 202 — Cosit, de 11 de julho de 2014; Solução de Consulta nº 111 — Cosit, de 8 de maio de 2015; Solução de Consulta Disit/SRRF09 Nº 9019, de 21 de julho de 2015; Solução de Consulta Disit/SRRF10 Nº 10028, de 04 de dezembro de 2015; Solução de Consulta Disit/SRRF01 nº 1006, de 05 de fevereiro de 2016; Solução de Consulta nº 19 — Cosit, de 1 de março de 2016; Solução de Consulta nº 225 — Cosit, de 12 de maio de 2017; Solução de Consulta Disit/SRRF04 nº 4037, de 26 de setembro de 2019, entre outros.

Dessa forma, embora a decisão do plenário do STF tenha declarado a constitucionalidade do artigo 2º da Lei nº 10.147/2000 para restringir o benefício da alíquota zero aos contribuintes do Simples Nacional, seus efeitos somente terão validade até 31/12/2008. Pois, com o início da vigência da Lei Complementar 128/08, em 1º/1/2009, nova sistemática passou a valer. Sistemática essa não contemplada, e nem poderia, no citado julgamento.

Note-se que na decisão fica assentado a posição do Supremo Tribunal Federal no sentido de que não cabe ao Judiciário, mas, sim, ao legislador infraconstitucional a faculdade ao dispor sobre tema que afete o tratamento favorável às empresas do Simples Nacional, podendo estender benefício fiscal ou deixar de fazê-lo. E é exatamente o que o fez com a edição da Lei Complementar 128/08, posterior ao processo em questão.

 [1] “Artigo 2º – São reduzidas a zero as alíquotas da contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita bruta decorrente da venda dos produtos tributados na forma do inciso I do artigo 1o, pelas pessoas jurídicas não enquadradas na condição de industrial ou de importador.

Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica às pessoas jurídicas optantes pelo Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – Simples”.

Fonte: Consultor Jurídico




Vaga de Emprego

Publicado por IPECONT em 22/09/2020 15:20:02

Analista Financeiro

Requisitos:
Ter conhecimento Contábil
Ter atuado recentemente pelo menos 5 anos em área Financeira
Ter conhecimento em conciliação bancária e Contas a Pagar
Conhecimento no sistema AX (preferencial) ou outros ERP’s de grande porte
Conhecimento em Excel

Interessados encaminhar currículo para : [email protected]




Vagas de Emprego

Publicado por IPECONT em 21/09/2020 11:39:03




Vaga de Emprego

Publicado por IPECONT em 17/09/2020 15:27:33




Dicas de Conhecimento Profissional

Publicado por IPECONT em 17/09/2020 12:58:12

Negócios, Idéia, Crescimento, Conceito

Buscar o crescimento profissional é importante por vários motivos, de modo que investir em recursos e soluções que venham aprimorar a sua mão de obra pode ser um diferencial fundamental nos dias atuais. 

Se estar sempre em dia com as novidades da área em que se atua é necessário para vários colaboradores, esse se torna um ponto importante para as empresas que precisam contratar os seus funcionários de modo assertivo. 

Em tempos de pandemia, isso é indispensável. Ter um currículo completo e bem construído pode ser o fator mais importante em uma entrevista onde há vários concorrentes, já que as oportunidades no mercado tendem a ser menores durante uma crise. 

A formação é importante, mas não é o único fator de peso para o crescimento. Assim como um biomédico precisa de equipamentos para laboratório para fazer o seu trabalho, quem deseja se desenvolver profissionalmente precisa de ferramentas adicionais para tal. 

Nesse sentido, investir em diferentes elementos é imprescindível para conseguir conquistar o aperfeiçoamento profissional. 

Além disso, é cada vez mais comum encontrar empresas que buscam colaboradores empenhados em se desenvolver, de modo que incentivam de maneira especial aos que desejam ampliar as suas áreas de conhecimento. 

Dessa forma, tanto o estabelecimento se beneficia com os conhecimentos adquiridos pelo funcionário, que serão aplicados na rotina da empresa, quanto o profissional consegue construir uma carreira sólida e abrangente. 

01. Desenvolva os seus hábitos de leitura

Isso é importante não apenas para fixar conteúdos relacionados a um curso profissional, mas também para:

  • Internalizar os aprendizados no dia a dia;
  • Enriquecer o imaginário e o criativo;
  • Ganhar fluência no português ou outras línguas;
  • Ter momentos de relaxamento.

Nesse sentido, é fundamental ler sobre temas variados, que podem ter a ver com o seu trabalho, como um novo artigo técnico sobre instalações elétricas prediais, mas também aproveitando para terminar aquele livro clássico de literatura que estava na sua estante. 

É interessante que o profissional aproveite ao máximo o seu tempo livre para realizar novas leituras, seja no deslocamento para o trabalho em transporte público, no intervalo de suas aulas, ou em momentos de lazer.

Certamente, ao desenvolver esse hábito, qualquer pessoa ganha maior domínio sobre diversos assuntos, se tornando um candidato interessante para ocupar uma vaga diferenciada no mercado. 

02. Desenvolva a sua escrita

Se você reconhece que a leitura precisa ser um hábito presente no seu dia a dia, certamente concorda que praticar a escrita é tão importante quanto, não é mesmo?

Desenvolver a sua escrita vai muito além de evitar que erros de português sejam encontrados no seu texto, afinal essa atividade é indispensável para quem quer se comunicar de modo mais fluido e compreensível, redigindo conteúdos perfeitos. 

Para colocar a sua escrita em prática, você pode fazer exercícios simples, como elaborar uma resenha de um filme ou livro, assim como estudar materiais e desenvolver um artigo sobre a importância de um software de gestão empresarial. 

Ao trabalhar essa habilidade, muitas pessoas acabam descobrindo o dom da escrita, e podem abrir o seu próprio blog ou mesmo escrever um livro, identificando assim uma nova vocação. 

No mercado de trabalho, é indispensável ter um diferencial nesse sentido. Afinal, os índices do Inaf (Indicador de Alfabetismo Funcional) de 2018 mostram que 29% da população entre 15 e 64 anos possuem dificuldades em se expressar por meio de letras e números. 

Nesse cenário, quanto mais um profissional se destaca com a sua escrita, mais ele terá chances de conquistar bons cargos no mercado. 

03. Estar atualizado

Os mais diversos segmentos de atuação estão em constante atualização. Um médico que trabalha em uma clínica de psicologia, assim como um advogado que possui o seu próprio escritório, precisam estar antenados nas novidades dos seus setores. 

Isso porque novas descobertas científicas surgem a todo momento, e com as leis trabalhistas, cíveis, penais e tributárias isso não é diferente. Mas essas atualizações não param por aí. 

A própria rotina das pessoas é tomada por novidades o tempo todo. Por isso, buscar estar sempre atualizado é de suma importância para qualquer área e, consequentemente, para quem deseja potencializar o seu crescimento profissional. 

04. Buscar cursos online

Os cursos online estão se tornando cada vez mais presente no dia a dia das pessoas. Segundo a FGV (Fundação Getúlio Vargas), houve crescimento de 400% na procura por essa modalidade, em decorrência da pandemia. 

Se esses dados já eram consideráveis mesmo antes desse período, é essencial que se considere aprimorar os conhecimentos com o auxílio de diversas plataformas online. 

Uma empresa de rolamentos que deseja capacitar ainda mais os seus funcionários pode decidir construir a sua própria plataforma de estudos para que os colaboradores tenham acesso direto aos materiais mais recentes sobre as suas atividades. 

Até para quem deseja aprender inglês por vontade própria, hoje as principais escolas de idioma já se adaptaram às demandas do mercado e investiram também na versão virtual do curso. 

Por isso, invista na sua formação profissional, aproveitando as vantagens da modalidade de estudo EAD (ensino a distância), tais como: economia com deslocamento, tanto financeira quanto de tempo, com refeições extras fora de casa, etc.

05. Participar de grupos de estudo virtuais

Muitas pessoas possuem dificuldade em aproveitar os benefícios de estudar online, e já existe uma solução prática para isso: participar de grupos de estudo ou debate virtuais. 

Esse tipo de recurso funciona bem para quem precisa de um suporte no entendimento de diferentes matérias, de modo que a interação entre as pessoas auxilia na absorção do conteúdo proposto ali. 

Nesse sentido, essa é uma excelente maneira de se preparar profissionalmente, e obter o crescimento desejado para a sua carreira. 

06. Invista em networking

Quem trabalha em uma fábrica de cabos elétricos, ou em qualquer empresa de um dos mais variados setores do mercado, sabe que é muito comum ter eventos, palestras e treinamentos periodicamente, unindo vários profissionais da área. 

Sendo assim, quem deseja se desenvolver profissionalmente sabe da importância de participar desse tipo de ocasião, assim como de conhecer pessoas que estão no setor. 

Por isso, não deixe de construir um bom networking, que pode ser imprescindível para o crescimento da sua carreira. Seja para firmar parcerias, ou para conquistar novos cargos em empresas diversas, é fundamental ter bons contatos no seu nicho. 

07. Tenha foco

Há quem se empolgue em começar várias atividades ao mesmo tempo, principalmente quando existe uma identificação pessoal com essas frentes, mas manter o foco é importante para quem quer ter crescimento profissional. 

Quem deseja trabalhar com a produção de instrumentos cirúrgicos, por exemplo, deve procurar se especializar na área, de modo a conseguir desempenhar uma boa função no segmento. 

Isso porque se a pessoa se identifica com o nicho, mas acaba se desviando para outras área relacionadas, é muito comum que ela não consiga obter as formações e certificados que vão garantir um bom posicionamento no mercado. 

Nesse sentido, ter foco e traçar um objetivo é a melhor maneira de acelerar o desenvolvimento profissional, evitando dispersões que podem atrasar a meta do trabalhador. 

08. Procure inspirações

É recorrente ver que as pessoas têm modelos que desejam alcançar, que se tornaram referências de sucesso dentro da área em que elas pretendem atuar. 

Para que essa personalidade possa influenciar de maneira positiva o crescimento profissional, é indicador que não se deixe de buscar mais informações sobre a biografia e sobre o passo a passo percorrido por esses casos de sucesso da sua área. 

Além de abordar o “caminho das pedras” que foi trilhado até chegar no seu lugar hoje, essas pessoas dão dicas para quem é determinado e deseja construir uma carreira de sucesso, ajudando na formação do caráter e de um bom profissional. 

Por isso, é fundamental não deixar de buscar as inspirações mais fortes que já fizeram o que se pretende fazer, sendo essa uma dica simples para quem quer se desenvolver no mercado de trabalho. 

Garantir uma mão de obra qualificada é cada vez mais indispensável. Isso porque as empresas do setor essencial, assim como de vários outros segmentos, estão em busca de colaboradores que possam auxiliar o seu trabalho de maneira especial em tempos de crise. 

Ao investir na sua formação profissional, você não apenas valoriza a sua carreira, como se torna um trabalhador requisitado no mercado. 

Por isso, ao seguir as dicas abordadas neste conteúdo, certamente as suas chances de conquistar boas vagas crescem de forma positiva, além de que elas podem ajudar grandemente no dia a dia da sua profissão. 




Vem aí ….

Publicado por IPECONT em 16/09/2020 14:35:55

Evento do DIA DO CONTADOR 100% online!
Prepare-se! Contador, nosso presente é para você.

O evento é uma realização do IPECONT, que preparou uma programação especial que irá reunir profissionais renomados para debater os temas! Totalmente gratuito e em prol aos profissionais da Contabilidade.

Confira a Programação:
• Empreendedorismo e Inovação para profissionais da Contabilidade;
• Marketing Pessoal para profissionais da Contabilidade;
• Gestão de Tempos e como vender para profissionais da Contabilidade.

Dias: 21, 22 e 23 de Setembro🕑 Horário: 19h às 20h

O IPECONT espera por você no evento do Dia do Contador! 😁

Dúvidas?
Converse com um de nossos Consultores: 📞 35 3212-6392 ou 📲 9 9257-0600

Inscreva-se pelo link: https://bit.ly/2FMWZl5




Boletim Departamento Pessoal – Recursos Humanos

Publicado por IPECONT em 15/09/2020 19:56:58

em 15 de Setembro de 2020

“A vaidade é um princípio de corrupção.”
Machado de Assis

Covid-19: trabalhador com contrato suspenso tem direito ao 13º salário?

Neste contexto, destaque para a suspensão temporária de contratos, jornada de trabalho e redução de salários.

Implementado no Brasil em 1962, o 13º salário é uma gratificação de fim de ano concedida a todo trabalhador que atua com carteira assinada. Este direito garante que a cada mês trabalhado o colaborador receba o equivalente a 1/12 – um doze avos – do seu salário. Ou seja, caso tenha trabalhado o ano inteiro, receberá um salário a mais. Só que, por causa da pandemia da Covid-19, muitas empresas tiveram, para não demitir, que tomar medidas um tanto drásticas com seus colaboradores.

Neste contexto, destaque para a suspensão temporária de contratos, jornada de trabalho e redução de salários.

Diante deste fato, a pergunta que não quer calar é: como ficarão as gratificações natalinas?

Geralmente, a parcela do 13° é paga entre fevereiro e o último dia útil do mês de novembro. Neste ano de 2020, a data cai em uma segunda-feira – 30 de novembro. E a segunda parcela é quitada no dia 20 de dezembro [domingo], então ela tem que ser antecipada para sexta-feira, 18 de dezembro.

Suspensão de contrato

Então, se houve suspensão do contrato de trabalho por conta da pandemia, é importante ressaltar que esse período não será contabilizado no 13° devido. Tudo porque a gratificação terá de ser reduzida proporcionalmente aos meses não trabalhados, ao invés de multiplicar por 12, por exemplo, será multiplicado pela quantidade de meses do contato ativo.

Por fim, é considerado, para o recebimento do 13° salário, um período que seja igual ou superior a 15 dias.

13º salário pode ser reduzido pela metade devido suspensão de contratos

Especialista explica como o 13º salário vai ser afetado com a suspensão de contratos e redução de jornadas. Entenda!

Com a pandemia se instalando no Brasil, o governo precisou adotar medidas para conter os impactos econômicos para pequenas e grandes empresas. Entre elas, uma das medidas mais importantes foi os acordos de suspensão de contrato de trabalho e de redução de jornada e salário poderão.

Mas, diante disso, o pagamento do 13º salário dos trabalhadores também pode ser afetado neste ano. Parte dos trabalhadores não receberá o valor integral no fim do ano, devido à fórmula de cálculo do benefício.

Na prática, se a suspensão de contrato for feita pelo período máximo permitido de 180 dias (seis meses), o trabalhador receberá somente metade do abono.

As alterações no contrato de trabalho estão em vigor por meio da Lei 14.020/2020, criada para mitigar os efeitos da pandemia de Covid-19 no mercado de trabalho.

BEm

Como parte da tentativa de preservação do emprego formal, o governo instituiu o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e Renda (BEm) — uma complementação de renda ao empregado que aderiu ao programa. O auxílio, porém, não entra na base de cálculo do valor do 13º.

A legislação trabalhista determina que o abono deve ser calculado com base na quantidade de meses trabalhados. Para cada mês de trabalho, é devido ao empregado 1/12 do valor do salário. Ou seja, os meses não trabalhados (excluindo as férias) não são considerados.

Dessa forma, para os empregados com suspensão de contrato, os meses em que o acordo estava vigente não serão considerados no cálculo.

Simulação

A advogada Michelle Pimenta Dezidério, especialista em Direito Trabalhista do escritório Chediak Advogados, fez uma simulação em entrevista ao jornal Extra:

Se o empregado com salário mensal de R$ 2 mil teve o contrato de trabalho suspenso pelo período de quatro meses ao longo do ano, o novo valor do 13º será R$ 1.333,33. Ou seja, ele receberá R$ 166,66 de abono por mês em que trabalhou (R$ 2.000/12 = R$ 166,66). O pagamento corresponderá, portanto, a 8/12.

Quem teve o salário reduzido (em 70%, 50% ou 25%) também poderá receber o 13º menor, se o acordo de redução estiver em vigor no mês de pagamento do abono. Segundo especialistas, embora o mês que serve para a base de cálculo do benefício seja dezembro, nos casos em que há adiantamento em novembro poderá haver desconto:

“Se o salário for reduzido em novembro, a 1º parcela também será. Mas, se em dezembro o salário for integral, ele receberá integralmente. Se o salário de dezembro for menor, o abono também será proporcional à redução”, explica a advogada Maria Lucia Benhame.

Categorias mais afetadas

Segundo dados do Ministério da Economia, mais de sete milhões de trabalhadores tiveram seus contratos suspensos pelo programa. Os empregados domésticos estão entre as categorias mais afetadas pela medida e deverão sentir os cortes mais acentuados no 13º salário. Mas o patrão poderá, se desejar, pagar o valor integral e recompor a renda desse funcionário.

“Já havíamos alertado que, com a possibilidade de suspensão do contrato, o cálculo do 13º seria impactado. Entendemos que há os dois lados estão sofrendo com essa crise. O eSocial já faz o cálculo automaticamente com base nos meses trabalhados. Mas nada impede de o patrão, caso deseje, altere o valor a ser pago e complemente o abono. O sistema permite”, diz Mário Avelino, presidente do Instituto Doméstica Legal.

Quem também pode ser muito afetado são trabalhadores que tem salário variável, e que ganham por comissão, como os trabalhadores que ganham por vendas.

Nesses casos, o salário de dezembro não é usado como referência para o cálculo do benefício. As empresas costumam pagar o 13º com base na média salarial do ano, e estão considerando os períodos de suspensão e redução no cálculo.

“Muitas empresas estão procurando orientação jurídica quanto a isso. Algumas estão considerando a média do salário previsto em contrato. Outras pelo o que de fato pagaram durante o ano. Eu considero que o valor a ser pago deve ser o contratual, mas isso é passível de interpretação, e algumas empresas estão usando isso em seu favor”, explica Juliana Bracks, advogada do escritório Bracks Advogados.

Fonte: Portal Contábeis por Ananda Santos




Boletim Contábil e Tributário

Publicado por IPECONT em 15/09/2020 15:55:26

em 15 de Setembro de 2020

“Basta – diz a razão à loucura, que lhe responde com o mesmo grito.”
Carlos Drummond de Andrade

Comunicado Sobre Malha Fiscal Pessoa Jurídica: Falta de Escrituraçãdo de Receitas no SPED

A Receita Federal do Brasil inicia neste ano operações de malha fiscal junto aos contribuintes pessoas jurídicas sujeitos às escriturações do Sistema Público de Escrituração Digital – Sped, mediante análise de dados e cruzamento de informações prestadas pela própria pessoa jurídica e por terceiros, objetivando a regularização espontânea das divergências identificadas.

A primeira operação terá como parâmetro os valores representativos de receitas a serem informados na Escrituração Contábil Fiscal – ECF referente ao exercício de 2019, ano-calendário 2018, das empresas optantes pela apuração do Imposto de Renda Pessoa Jurídica – IRPJ com base no Lucro Presumido.

Serão relacionadas na operação todas as ECF referentes ao período acima descrito que apresentarem valores representativos de receitas inferiores às receitas constantes nas Notas Fiscais Eletrônicas, EFD-ICMS/IPI, EFD-Contribuições e Decred do período em referência. Adicionalmente, os valores informados na e-Financeira também serão objeto do cruzamento de dados para a verificação de inconsistências.

Será concedido ao contribuinte o prazo para efetuar a autorregularização, mediante retificação da ECF e da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais-DCTF, evitando, assim, o procedimento de lançamento ofício pela Receita Federal, mediante a exigência das diferenças apuradas, com acréscimo de multas de ofício.

O primeiro lote de comunicação alcançará as pessoas jurídicas jurisdicionadas na Delegacia da Receita Federal em Guarulhos/SP. Em seguida, a operação será expandida para todo o território nacional.

Receita cruza informações da ECF com NFe, EFD e Decred

A implantação do SPED trouxe novas modalidades de cruzamento das informações transmitidas ao Fisco.

Fonte: Blog Guia Tributário

A implantação do SPED trouxe novas modalidades de cruzamento das informações transmitidas ao Fisco.

A Receita Federal do Brasil (RFB) acaba de informar, em seu site, que está gerando operações de malha fiscal junto aos contribuintes pessoas jurídicas sujeitos às escriturações do SPED, mediante análise de dados e cruzamento de informações prestadas pela própria pessoa jurídica e por terceiros.

A primeira operação terá como parâmetro os valores representativos de receitas a serem informados na Escrituração Contábil Fiscal – ECF referente ao exercício de 2019, ano-calendário 2018, das empresas optantes pela apuração do Imposto de Renda Pessoa Jurídica – IRPJ com base no Lucro Presumido.

Serão relacionadas na operação todas as ECF referentes ao período acima descrito que apresentarem valores representativos de receitas inferiores às receitas constantes nas Notas Fiscais Eletrônicas, EFD-ICMS/IPI, EFD-Contribuições e Decred do período em referência.

Adicionalmente, os valores informados na e-Financeira também serão objeto do cruzamento de dados para a verificação de inconsistências.

Então, a recomendação para as empresas é redobrar os cuidados com as informações fiscais, evitando serem multadas e caírem nas malhas do fisco.

Aplicação das regras MDF-e integrado e validações do RNTRC

Comunicamos que as regras relacionadas a NT do MDF-e integrado e as validações da situação do RNTRC foram reativadas no ambiente de produção do MDF-e na data de hoje.

Identificação do Produto Predominante no MDF-e Integrado

Visando esclarecer a correta identificação do produto predominante no MDF-e em operações de Transporte Rodoviário de Carga Lotação, assim entendida à que corresponda a uma única NF-e ou CT-e, com cargas distintas, o emitente deverá atender o disposto no §2° do art. 4° da RESOLUÇÃO ANTT Nº 5.867, DE 14 DE JANEIRO DE 2020, expedida pela Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT, nos seguintes dizeres:

“§2° Para o caso de operações de Transporte Rodoviário de Carga Lotação em que sejam transportadas cargas distintas, sujeitas à classificação em mais de um tipo de carga estabelecida no Anexo II desta Resolução, deverá ser considerada aquela que resulte em maior valor”.

 Desta feita, para preenchimento do grupo de informações referente aos campos de produto predominante, incluindo o campo “Tipo da Carga”, quando tratar-se de Transporte Rodoviário de Carga Lotação em que sejam transportadas cargas distintas, sujeitas à classificação em mais de um tipo de carga, o transportador deve considerar a carga que resulte em maior valor.

Fonte: Portal SVRS




Seja em maior ou menor escala, todos os negócios dependem da relação entre o compliance e contabilidade empresarial.

Analista Moderna, De Marketing, Gráficos

A atuação regular de um empreendimento é um conceito que vai muito além da qualidade dos processos operacionais e das suas entregas. Na prática, o sucesso empresarial também está condicionado a fatores normativos, isto é, ao cumprimento de normas técnicas, leis e padrões que regem os mais diferentes setores. Nesse cenário, compliance e contabilidade ganham uma importância cada vez maior.

Atualmente, falar em compliance é, sem dúvida, mencionar um dos pilares dos negócios de sucesso. O termo “comply”, advindo do inglês, significa atuar em conformidade com as regras. Compliance, de forma objetiva, traduz um ideal de atuação regular, rígida, em que se preza pela transparência, pelo cumprimento de normas, controles internos e demais imposições relacionadas à atuação no mercado.

Seja em maior ou menor escala, todos os negócios dependem da relação entre o compliance e contabilidade empresarial. Diferentemente do que muitos acreditam, isso não se restringe a grandes corporações, pois um pequeno empreendimento também precisa cumprir obrigações legais, normas trabalhistas e fiscais, por exemplo.

Dada a importância desse tema, preparamos este artigo para abordá-lo de forma mais detalhada, mostrando como compliance e contabilidade interferem no dia a dia empresarial. Acompanhe!

Áreas da empresa em que o compliance exerce influência

Inicialmente, é fundamental compreender a amplitude do compliance dentro das empresas, ou seja, em quais setores e atividades esse conceito se faz mais presente, promovendo melhorias e gerando oportunidades de otimização. Vejamos!

Gestão de processos

A gestão de processos se relaciona com todos os expedientes direcionados ao aumento de qualidade e eficiência no gerenciamento das informações. É importante considerar que toda empresa precisa de uma organização eficiente dos seus dados financeiros, visto que são extremamente úteis no cumprimento de obrigações junto ao Fisco, por exemplo.

Nesse sentido, a gestão de processos é uma das bases para a redução de erros e desconformidades com as regras internas e externas que condicionam a atuação do empreendimento. Essa gestão, na prática, se preocupa em conhecer profundamente as atividades do negócio, visando criar mecanismos para tornar as rotinas mais simples, eficientes e, principalmente, transparentes.

Gestão de riscos

O compliance tem um forte apelo pela prevenção de problemas, adotando posturas para a otimização dos processos internos, como a auditoria contábil. Dessa forma, profissionais contábeis auxiliam na verificação de contas, demonstrações e outros documentos importantes a fim de identificar eventuais inconsistências.

Além disso, a gestão de riscos é a forma como se desvenda as raízes dos problemas, encontrando maneiras de administrá-las antes que se tornem uma complicação. Esse processo consiste em encontrar fraquezas e atuar com o objetivo de fortalecê-las. Na área fiscal, entra tanto nos processos de apuração de tributos quanto na qualificação das obrigações acessórias.

Governança corporativa

Trata-se de um conceito bastante conhecido no meio empresarial. Ele se relaciona com as políticas e estruturas gerenciais internas voltadas à fiscalização e à condução do negócio de maneira ética, responsável e estratégica.

O ideal da governança corporativa é manter as bases do negócio sempre sólidas, aderentes aos seus objetivos e aos dos sócios. Para tanto, órgãos de fiscalização, conselhos administrativos e outras políticas de reforço à ética e transparência são criados para garantir que todas as decisões do negócio sejam pautadas nesses valores, evitando problemas que prejudiquem a imagem e os resultados da organização.

Aplicação do compliance à contabilidade

importância da contabilidade para o compliance é significativa. Hoje, grande parte dos problemas enfrentados pelas empresas no que diz respeito à sua regularidade estão relacionados a rotinas contábeis e fiscais. Por essa razão, reforçar a qualidade desse departamento é também fortalecer o compliance.

A falta de rigidez no cumprimento das obrigações ou mesmo a ausência de um conhecimento profundo sobre as normas e leis que regulam as operações empresariais são fatores que potencializam a ocorrência de erros, prejudicando diretamente as finanças e a percepção em relação à marca.

Nesse sentido, existem diferentes pontos em que compliance e contabilidade convergem no dia a dia dos negócios, garantindo uma atuação ainda mais eficiente e transparente. Entre eles, podemos citar:

  • elaboração de demonstrações contábeis;
  • cumprimento de obrigações acessórias;
  • adequação dos princípios contábeis às localidades em que a empresa opera — atributo imprescindível para aquelas que atuam em diferentes países, se submetendo a diferentes legislações;
  • coleta, estruturação e análise de dados;
  • aderência aos padrões contábeis e normas internacionais de observância obrigatória;
  • desenvolvimento de rotinas contábeis compatíveis com o porte, setor e objetivo do empreendimento, entre outros.

Benefícios da relação entre compliance e contabilidade para a empresa

O compliance, por ser um conceito intimamente ligado à otimização operacional, à atuação rígida e transparente, agrega uma série de vantagens para as organização que o inserem em suas rotinas. A seguir, listamos alguns dos benefícios diretos de investir nessa aliança.

Aumento da eficiência

A auditoria de contas, a preocupação com o registro e armazenamento de informações e a organização financeira estimuladas pelo compliance garantem muito mais eficiência no dia a dia da contabilidade.

Com processos organizados, bem-documentos e em conformidade com os padrões aplicados no mercado, os riscos de erros e inconsistências reduzem significativamente, o que é altamente positivo do ponto de vista da regularidade e da competitividade.

Redução dos desvios de recursos

As fraudes e desvios de recursos estão entre os problemas mais comuns quando a contabilidade do negócio é gerida de maneira pouco profissional. Muitas vezes, a falta de controle sobre os processos e a ausência de uma rotina de auditoria abre margem para esses problemas.

Por outro lado, o compliance prega uma gestão contábil pautada na transparência de modo que todas as movimentações financeiras estejam documentadas corretamente, facilitando a identificação de desvios e outras irregularidades.

Maior credibilidade

Empresas que investem em compliance são muito mais bem vistas no mercado. Devido aos escândalos de corrupção que assolaram o país nos últimos anos, o tema ganhou ainda mais notoriedade, estando diretamente associado à percepção de credibilidade e profissionalismo sobre um empreendimento.

Nesse sentido, outro reflexo direto do compliance e da contabilidade é a geração de um importante diferencial competitivo na hora de angariar recursos e crescer no mercado, por exemplo, pois são pontos considerados por investidores na hora de decidir onde aplicar o capital.

O conhecimento técnico dos profissionais da contabilidade é um fator decisivo para a qualidade do compliance. Isso porque, a depender do segmento e porte da organização, a complexidade da legislação e dos processos necessários para uma boa gestão contábil é extremamente elevada, dependendo de especialistas para dar suporte, evitando fraudes e erros.

Como vimos, compliance e contabilidade hoje são conceitos praticamente complementares. Na prática, é bastante difícil para uma empresa, por menor que ela seja, desenvolver uma política de compliance eficiente sem levar em conta a contabilidade. Grande parte das normas e leis envolvem a área contábil dos negócios, exigindo uma atuação ativa dos profissionais para alcançar um bom nível de compliance.

Por fim, pensar de forma estratégica e buscar novos caminhos para fortalecer as atividades e o rendimento é extremamente importante. Nesse sentido, uma recomendação é investir em boas parcerias, como o Programa Contador Parceiro da Soluti, que oferece uma alternativa para contadores e contabilidades aumentarem seu faturamento e agregarem diferenciais às suas entregas, com duas modalidades diferentes de parceria e diversas vantagens exclusivas.

Fonte: Portal Contábeis




O sábado é considerado dia útil para pagamento de salário?

Publicado por IPECONT em 11/09/2020 14:11:29

Cartão De Crédito, Master Card

O salário do funcionário deve ser pago até o quinto dia útil do mês, conforme dispõe o artigo 459 da CLT, em seu parágrafo primeiro:

“Quando o pagamento houver sido estipulado por mês, deverá ser efetuado, o mais tardar, até o quinto dia útil do mês subsequente ao vencido”.

Mas aí surge uma dúvida muito comum, começo de mês, final de semana chegando, e você precisando receber, mas o quinto dia do mês cai logo no sábado… E agora?

Conforme Instrução Normativa nº 01 de 07/11/1989, da Secretaria de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, o sábado é considerado dia útil para pagamento de salário, vejamos:

Para efeito de orientação quanto ao prazo para o pagamento dos salários as Delegacias Regionais do Trabalho deverão observar o seguinte:
I – na contagem dos dias será incluído o sábado, excluindo-se o domingo e o feriado, inclusive o municipal;
II – quando o empregador utilizar o sistema bancário para o pagamento dos salários, os valores deverão estar à disposição do empregado, o mais tardar, até o quinto dia útil;
a) horário que permita o desconto imediato do cheque;

Ou seja, sábado está incluído no prazo de pagamento de 5 dias úteis do salário mensal, inclusive, quando for pagamento em cheque, o empregador deverá realizar em horário que permita ao empregado realizar o desconto imediato do cheque.

E se o empregador atrasar o salário?

A CLT é omissa quanto a penalidades por atraso de salário, entretanto, a penalidade cabível pode ser verificada na Súmula 381 do TST, ou do precedente normativo 72, vejamos:

Súmula 381: “O pagamento dos salários até o 5º dia útil do mês subsequente ao vencido não está sujeito à correção monetária. Se essa data limite for ultrapassada, incidirá o índice da correção monetária do mês subsequente ao da prestação dos serviços, a partir do dia 1º.”

E o Precedente Normativo nº 72: “Estabelece-se multa de 10% sobre o saldo salarial, na hipótese de atraso no pagamento de salário até 20 dias, e de 5% por dia no período subsequente.”

Resumidamente, se o empregador realizar o pagamento de salário após o limite do 5º dia útil, os valores em atrasos deverão ser pagos com correção monetária contados desde o primeiro dia do mês, e ainda, se o atraso ultrapassar 20 dias, o empregador deverá pagar uma multa de 10% sobre o saldo de salário, e de 5% por dia de atraso após este período.

E se o empregador, repetidamente vem pagando os salários em atraso, poderá o funcionário pleitear perante a justiça, a rescisão indireta do contrato de trabalho, com base no artigo 483 da CLT, na alínea “d”, que prevê este tipo de rescisão quando o empregador deixa de cumprir com suas obrigações do contrato.

Se você ou algum conhecido, seja empregado ou empregador, já passou por alguma situação semelhante, compartilhe esse artigo jurídico, pois muitas vezes o empresário acaba descumprindo com suas obrigações por falta de informação.

Deseja se tornar um profissional na área de Departamento Pessoal??


O IPECONT tem o curso certo para você!!

Aproveite nossos valores promocionais, clique aqui e saiba mais.




17 dicas para melhorar seu rendimento estudando a distância

Publicado por IPECONT em 11/09/2020 13:50:33

  1. Não subestime o EAD
    Antes de mais nada, tenha em mente que um curso da modalidade EAD não necessariamente será mais fácil do que um presencial. Muitos acabam se enganando ao subestimar um curso a distância dessa maneira. Dessa forma, não se dedicam o suficiente e acabam se dando mal.

A verdade é que estudar a distância exige tanto comprometimento quanto assiduidade às aulas presenciais. Se por um lado não é preciso ir todos os dias para o campus, do outro a disciplina em casa deve ser redobrada para conferir todo material e cumprir os prazos.

Qualquer falha grave nesse sentido poderá ocasionar péssimas consequências, inclusive, a reprovação do aluno. Portanto, só tome a decisão de entrar em um curso se você realmente está disposto e tem tempo para se dedicar. Não caia na falácia que estudar em casa é mais fácil!

  1. Seja organizado
    Ser organizado é fundamental para o processo de adequação da rotina em relação aos estudos de um curso a distância. É imprescindível que cada aluno encontre maneiras de organizar os seus dias, semanas e meses se quiser ser mais produtivo.

Antes de mais nada, vale anotar todas as tarefas para entender como as atividades do curso poderão ser encaixadas na agenda. Encontrar esse tempo para os estudos é a parte mais importante de estruturar uma nova rotina.

Isso pode ser feito de diversas maneiras, seja utilizando um gerenciador de tarefas, calendário, uma planilha ou até mesmo uma folha de papel. O ideal é que seja do jeito que mais lhe agrada e que ajude a cumprir suas obrigações.

Outra dica é deixar que essa anotação fique em um local de fácil acesso para você consultar sempre que precisar.

  1. Crie uma lista de prioridades
    Já que falamos no tópico anterior sobre organização, vale a pena complementar esse tópico com um truque que pode contribuir efetivamente para que você seja mais organizado: criar uma lista de prioridades.

O fato é que não basta listar o que precisa ser feito, é preciso entender quais obrigações são mais importantes e mais urgentes. Dessa maneira, será possível identificar o que deve ser realizado com certa prioridade e o que pode ser deixado para depois — com o cuidado de evitar a procrastinação do que não é tão imediato.

Obviamente, não existe uma fórmula pronta para criar uma lista como essa, pois cada pessoa pode apresentar prioridades bem distintas. Esse é um aprendizado pessoal e que deve ser estimulado, sobretudo para facilitar a rotina.

O melhor caminho é que você comece organizando a sua lista da maneira que achar melhor e, com o tempo, verifique se o método está funcionando. Caso não esteja, faça ajustes até encontrar o modelo ideal e sentir que está conseguindo cumprir as suas tarefas de uma forma produtiva.

  1. Tenha foco e disciplina
    Ter foco e disciplina também ajuda a melhorar o rendimento estudando a distância. Visto que a EAD não exige tanto a presença física do estudante, muitas vezes é fácil ficar perdido e tentar deixar tudo para depois.

Por conta disso, exercitar a sua determinação é algo muito importante para ter um bom desempenho no curso. Não há como fugir dos seus compromissos, a não ser que você desista de vez e abandone os estudos — não é essa a intenção, certo?

Então, comece a identificar tudo o que tira a sua atenção no dia a dia para vencer esse desafio. Por exemplo, se a internet e as redes sociais tomam muito o seu tempo, estabeleça limites de horários para mexer com isso. Se estudar com muita gente por perto não está dando certo, encontre um local mais adequado para render mais.

Essas pequenas atitudes e ajustes na sua rotina vão fazer uma boa diferença no fim das contas. Com a agenda organizada e mais foco no que realmente importa, com certeza a sua produtividade será muito maior.

  1. Monte um cronograma de estudos
    Uma dica infalível para organizar a sua rotina é ter um cronograma bem realista para os seus dias, que inclua tanto a parte acadêmica, quanto os seus outros afazeres. Essa é uma tática que não dá certo apenas para quem não se propõe a cumprir o plano.

Divida o tempo de estudo para cada matéria, separando um período para assistir as aulas e fazer os exercícios. Se possível, tente reservar um horário fixo para estudar, como se você tivesse uma aula marcada. Isso contribui para o condicionamento do corpo e da mente.

Fonte: Jornal da Fronteira




Mercado financeiro prevê queda da economia em 5,31% este ano

Publicado por IPECONT em 10/09/2020 17:44:42

Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, diz BC

Estoque, Negociação, Monitor, Negócios

A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano foi ajustada de 5,28% para 5,31%. A estimativa de recuo do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – está no boletim Focus, publicação divulgada todas as semanas pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos.

Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, a mesma previsão há 15 semanas consecutivas. Em 2022 e 2023, o mercado financeiro continua a projetar expansão de 2,50% do PIB.

Inflação

As instituições financeiras consultadas pelo BC alteraram a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 1,77% para 1,78%, neste ano.

Para 2021, a estimativa de inflação permanece em 3%, há 12 semanas consecutivas. A previsão para 2022 e 2023 também não teve alteração: 3,50% e 3,25%, respectivamente.

A projeção para 2020 está abaixo do piso da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,5% e o superior, 5,5%.

Para 2021, a meta é 3,75%, para 2022, 3,50%, e para 2023, 3,25%, com intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, em cada ano.

Selic

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, estabelecida atualmente em 2% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Para o mercado financeiro, a expectativa é que a Selic encerre 2020 em 2% ao ano. Para o fim de 2021, a expectativa é que a taxa básica chegue a 2,88% ao ano. Para o fim de 2022, a previsão é 4,5% ao ano e para o final de 2023, 5,75% ao ano.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Entretanto, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Dólar

A previsão para a cotação do dólar permanece em R$ 5,25, ao final deste ano. Para o fim de 2021, a expectativa é que a moeda americana fique em R$ 5.

Fonte: Agência do Brasil




Vaga de Emprego

Publicado por IPECONT em 09/09/2020 17:18:25

VENDEDOR INTERNO

Requisitos:

  • Formação: 2º Grau completo ou cursando Ensino superior.
  • Ambos os sexos
  • Idade: Entre 20 a 30 anos
  • Desejável experiência mínima de 1 ano.
  • Desejável habilitação AB.
  • Preferencialmente com experiência no segmento de FERRAMENTAS

Perfil:

Responder e acompanhar cotações clientes, atender clientes no balcão, telefone, identificando suas necessidades e passando todas as informações necessárias sobre os produtos e sua adequada utilização.

Observar as práticas da concorrência quanto a preços praticados, ofertas e condições de pagamento.

Prospectar clientes, recuperar clientes inativos e realizar acompanhamento de clientes ativos.

Orientar clientes sobre processo de devolução de mercadoria para a empresa.

O candidato deverá:

  • Trabalhar com pró-atividade, iniciativa. Ser versátil e dinâmico. Ter bom relacionamento e facilidade em trabalho em equipe;
  • Ser comunicativo, simpático, responsável, honesto e interessado em aprender.
  • Adaptar-se rapidamente a mudanças, principalmente saber lidar com pressões internas e externas.
  • Ter boa aparência, facilidade de lidar com pessoas, flexibilidade no atendimento, agilidade, raciocínio rápido, capacidade de comunicação e visão de projeto.
Os interessados deverão encaminhar currículo para o e-mail: [email protected] e colocar no campo assunto VENDEDOR INTERNO, até a data 15/09/2020  para triagem e posterior processo seletivo.

ASSISTENTE FISCAL

REQUISITOS:

Formação: Preferencialmente Ciências Contábeis – Cursando ou completo.

– Ambos os sexos

– Idade: Entre 20 a 30 anos

– Desejável experiência mínima superior 1 ano.

PERFIL:
  • Conhecimento em :  

Atualizado em legislação do lucro real, lucro presumido, simples nacional e MEI, bem como legislação tributária em geral;

Lançamento e validação de NF compra de mercadorias e/ou serviços contratados, verificação de eventuais impostos a serem retidos e ou recolhidos, controle e validação de arquivos XML.

Emissão de notas fiscais de venda

Conhecimento em formas de controle de estoque .

Apuração de impostos (PIS, COFINS, ICMS, ST etc.); verificar impostos retidos; apuração de impostos federais, estaduais e municipais, retenções na fonte, substituição tributária .

Organização de documentações referentes à contabilidade da empresa, controlar e arquivar documentos fiscais, tais como: notas fiscais de saída, notas fiscais de serviço e conhecimentos de transporte rodoviário;

SINTEGRA. SPED CONTRIBUIÇÕES e SPED FISCAL

O candidato deverá:

  • Profissional dinâmico, com boa fluência verbal , raciocínio lógico.
  • Trabalhar com pró-atividade e iniciativa. Atualizar-se com o mercado e com mudanças tecnológicas. Ter bom relacionamento e facilidade em trabalho em equipe;
  • Ser Responsável, organizado, metódico.
  • Adaptar-se rapidamente a mudanças, principalmente saber lidar com pressões internas e externas.
Os interessados deverão encaminhar currículo para o e-mail: [email protected] e colocar no campo assunto ASSISTENTE FISCAL, até a data 15/09/2020 para triagem e posterior processo seletivo.  




6 estratégias aplicáveis para melhorar a gestão do tempo

Publicado por IPECONT em 08/09/2020 16:40:11

Você já se perguntou como seria seu dia se ele tivesse mais de 24 horas, para que pudesse dar conta de tudo o que foi planejado?

E, porque algumas pessoas sempre possuem tempo suficiente para fazer várias atividades diferentes e conseguem realizar todas, enquanto outras nunca conseguem terminar nada?

Será que os dias realmente são curtos? 

Para a última pergunta, a resposta é não!

Essa sensação incômoda atinge um alto número de pessoas e revela uma grande dificuldade no dia a dia: a de se manter produtivo

Com um alto número de distrações e hábitos que podem ser errados muitas vezes acabando nos tornando vítimas da improdutividade devido a alguns hábitos ruins que mantemos ao longo do nosso dia a dia.

Mas a boa notícia é que dá pra fazer diferente e garantir uma gestão do tempo eficaz.

O que é a gestão do tempo?

A gestão do tempo é o processo de planejar como o tempo será dividido entre as atividades que precisam ser realizadas em uma rotina.

De forma geral, ela ajuda a gastar o tempo certo nas atividades corretas, melhorando assim o dia a dia e até mesmo a qualidade de vida no trabalho das pessoas.

“O tempo é o recurso mais escasso e, a menos que seja gerenciado, nada mais pode ser gerenciado.”

Peter Drucker

6 estratégias para aplicar melhor o seu tempo

1. Liste suas tarefas

Para melhorar a gestão do tempo e iniciar cada dia ou semana, de acordo com o período de tempo que você estabelecer, é importante que tudo seja planejado com antecedência. 

Para isso, tire um momento para analisar suas pendências e projetos e prepare uma lista de tarefas, também conhecida como “checklist” ou “to-do-list”, anotando todas as atividades importantes que precisam ser realizadas.

Essa listagem irá te ajudar a se orientar melhor durante a realização do seu trabalho.

Também é importante seguir algumas regras para as atividades elencadas, como:

  • Realize cada tarefa por vez, sem pular e começar outro a menos que a anterior tenha sido finalizada;
  • Vá assinalando cada uma das tarefas cumpridas;
  • Conclua as tarefas de acordo com os prazos estipulados.

Além das regras, lembre-se de ser realista com o seu tempo e designar os prazos de forma coerente, pois não adianta elencar várias atividades já sabendo que eles estão apertados e são impossíveis de cumprir. 

De acordo com estudos, ao fazer a gestão das tarefas e ir marcando as finalizadas o cérebro recebe como um sistema de recompensa e satisfação, aumentando assim a motivação para a realização do trabalho.

2. Determine a prioridade de cada atividade

Após elencar as atividades a serem realizadas no período de tempo, é essencial que elas sejam priorizadas de acordo com seus níveis de importância e urgência.

Lembre-se: os dois termos significam coisas diferentes, e muitas vezes algumas tarefas que não são tão importantes podem até consumir mais tempo de resolução do que as que são, assim como algumas são mais urgentes que outras.

Para isso, uma boa ideia é utilizar a Matriz de Eisenhower, que ajuda a classificar as atividades como importante e não importante, e urgente e não urgente e pode tornar o processo mais simples e, aos poucos, natural, te ajudando na melhor gestão do tempo.

matriz eisehower para melhorar a gestão do tempo

3. Aprenda a dizer não

Antes de aceitar qualquer demanda, tarefa ou projeto que surja de surpresa na sua mesa, verifique sempre a sua lista de tarefas.

Caso você já esteja sobrecarregado com as atividades, saber dizer não de forma educada é uma regra que deve ser seguida a risca.

Além disso, não se sinta culpado. De nada adianta você assumir mais atividades para atender alguma demanda do gestor ou ajudar colegas que vão acabar fazendo com que outras sejam deixadas de lado, atrasando assim seus compromissos.

Respeite o que está na sua lista e o seu tempo sem se sobrecarregar.

4. Saiba delegar as tarefas

Muitas vezes acabamos assumindo e executando mais tarefas do que podemos, gerando assim um alto estresse, possíveis atrasos nas entregas e até mesmo diminuindo nossa produtividade. 

Isso pode ocorrer as vezes por falta de mais gente na equipe para realizar as atividades, mas também é importante observar se não estamos sendo centralizadores devido ao medo de outras pessoas não fazerem da forma como nós faríamos.

É importante entender que cada um tem um estilo de trabalho e que, por mais que elas não sejam executadas exatamente como faríamos, não significa que não serão bem feitas.

Tenha em mente isso ao repassar as atividades e que não significa que você estará fugindo das suas responsabilidades, mas sim as colocando na mão de outra pessoa competente, que irá te ajudar a não se sobrecarregar, e você ainda poderá acompanhar o andamento para que tudo saia direitinho.

5. Fuja da procrastinação

Com o enorme número de distrações que estão ao alcance da nossa mão, como as redes sociais no telefone, a procrastinação, uma das principais vilãs da produtividade, tende a tomar grande parte do nosso tempo e energia.

Isso acontece porque ficamos adiando nossas responsabilidades, como aquelas tarefas mais complicadas ou menos prazerosas, e parte do tempo que poderia ser gasto com aquilo é utilizado com outras atividades, o famoso “deixar para depois”. 

Para que isso não ocorra, uma boa dica é tentar deixar as distrações o mais distante possível e focar na importância de cada atividade e nos seus resultados, estimulando assim a execução.

6. Faça pausas

Sempre que o cansaço bater ou você se encontrar em um beco sem saída, não tenha medo de tirar um pouco do tempo para fazer uma pequena pausa para oxigenar a mente. 

Muitas vezes, quando estamos focados demais em uma atividade, acabamos deixando passar alguns detalhes devido ao cansaço.

Então, é importante levantar um pouco para beber uma água, tomar um café, trocar uma ideia, ou pedir opiniões a um colega de trabalho, ou até mesmo alongar um pouco o corpo.

Distraindo assim a sua mente e logo após, voltando reenergizado e pronto para abrir a mente e deixar as ideias fluírem. 

Quais os benefícios de uma melhor gestão do tempo?

  • Mais tarefas executadas. O gerenciamento do tempo ajuda a aumentar a produtividade, fazendo assim com que a lista de tarefas seja melhor executada e cada uma ocorra no tempo certo, de acordo com o planejamento;
  • Menos estresse. Gerenciar seu tempo reduz os problemas que podem ocorrer e, junto com eles, os possíveis estresses;
  • Maior controle das tarefas. Com uma gestão do tempo adequada você consegue ter uma melhor visibilidade da sua agenda e planejar seu dia a dia, reduzindo possíveis problemas e mantendo controle sobre tudo;
  • Menos retrabalho. Priorizar a gestão do tempo ajuda a melhorar o fluxo do trabalho, diminuindo assim os erros e a necessidade de realizar retrabalhos;
  • Mais foco. A gestão do tempo permite que suas energias sejam alocadas para as atividades de maior impacto, dedicando mais tempo para o que realmente é relevante.

Fonte:UCJ




Quem não se dá um tempo para parar tende a ter problemas no dia a dia profissional e pessoal

Já dizia o pai do coaching, Timothy Gallwey: “a capacidade de parar é tão importante quanto a capacidade de andar”. Quanto mais rápido o meu carro, mais importante que eu saiba como pará-lo também. É muito benéfico que possamos fazer as duas coisas, tão bem saber correr e tão bem saber parar.

Se aprendemos com grandes gênios que para alcançar o sucesso é necessário, 1% de inspiração e 99% de transpiração, porque insistimos em viver nos 100% só de transpiração? Não abrir espaço na sua vida para a inspiração é como correr, correr, correr e ficar sem fôlego. Sem inspiração, você está sem energia, pois está sem ar, dando uma sensação de desmotivação, de tanto faz, de esgotamento. Sem inspiração, nos altos e baixos da vida, passamos mais tempo nos baixos. Momento em que a sua energia sempre parece insuficiente, as dúvidas estão sempre presentes e as decisões ficam cada vez mais difíceis. Com inspiração, você está mais conectado com você e com as coisas que realmente são mais importantes. Com inspiração, você tem mais resiliência, você fica mais forte e ao mesmo tempo mais flexível. Enfrenta os desafios com mais maestria e tem muito mais habilidade para ressignificar as coisas que acontecem com você, o que o faz ver problemas como oportunidades e direcionar seu foco para as soluções. Com inspiração, você percebe a vida como um presente e com isso, está mais presente no presente.

No meio de várias pressões, rotinas e dinâmicas do nosso dia a dia, passa a ser um desafio diário permanecer presente e conectado consigo mesmo e com inspiração para gerar ação e prazer nas coisas da vida.

O que é triste é que a maioria das pessoas ainda não acredita que parar é tão importante quanto andar e resiste à parada. E quem mais resiste é geralmente quem mais precisa!

Parar não significa estacionar, parar é oscilar a mente para se reconectar consigo mesmo. E quando você oscila a mente e se reconecta consigo mesmo, além do fôlego, você recupera o brilho nos olhos e a inspiração vem de dentro para fora

Como encontrar esses momentos de parada?

Por isso as férias é sim um período tão importante para manter não só a saúde no trabalho, mas para melhoria de performance e atingimento de melhores resultados em todas as áreas da vida.

Férias funcionam como um momento de inspiração. Viagens, tempo livre, conhecer coisas novas, novas culturas, experimentar novas comidas, estar com os filhos, com os pais, com a família, com os amigos, se divertir? Tudo isso pode significar férias e significa também inspiração!

Se você de repente não tem conseguido tirar férias, aproveite os feriados. Se ainda não consegue aproveitar os feriados, tem os finais de semana. Se ainda assim é um desafio, procure criar momentos durante o seu dia para essas oscilações. Toda parada é válida, não precisa esperar por um momento longo.

Meditação é uma forma de oscilar a mente e ter inspiração, pode ser 20 minutos por dia. Atividade física, além de todos os outros benefícios que já estamos carecas de saber, também é ótima para oxigenar as ideias e quem as pratica tem mais disposição, sua fonte de inspiração fica carregada durante mais tempo.

Só que eu sei que são muitas as distrações do dia a dia. Quando a gente percebe, já está no piloto automático e acabamos deixando algumas coisas essenciais pelo caminho. Na pressa, não dá tempo de reconhecer oportunidades, nem as de oscilar. E são as oportunidades que nos fazem realizar

Então, marcar uma parada mais longa é fundamental. Colocar na agenda esse tempo, esse parada para você, é de extrema importância. Pode ser em forma de férias, feriados prolongados, treinamentos de autoconhecimento, coaching, terapias? Tudo isso ajuda você a se conectar mais com você, para que você possa se conectar melhor com os outros e com as coisas na sua vida.

Criar um espaço para você, dar uma pausa, mas não estacionar, passa a ser fundamental para a encontrar uma maneira de viver de forma mais leve, em que você pode ser mais consciente, mais ciente de onde você está, do que você tem e para onde você está indo e por quê.

Fazer uma parada para fazer algo que te inspira, te conecta e ajuda você a se lembrar de usar todos os recursos que você já tem em seu arsenal para fazer da sua vida, uma vida mais plena.

Uma pausa para não ser levado pelo inconsciente coletivo e ser vítima do desempenho automático. Ser alguém que se permite parar, pensar, reajustar e continuar em frente por opção. Este é um hábito valioso para o desenvolvimento de qualquer pessoa na jornada de uma vida fluída.

“Parar é tão importante quanto andar!”

Respira, se inspira e não pira!




Porta-voz da entidade disse que nenhuma das candidatas à vacina contra a Covid demonstrou, até agora, ‘sinal claro’ de eficácia em um nível mínimo de 50%.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) não espera uma vacinação ampla contra a Covid-19 até meados de 2021, disse uma porta-voz da entidade nesta sexta-feira (4), enfatizando a importância de checagens rigorosas sobre a eficácia e a segurança das vacinas.

Nenhuma das candidatas que estão em testes clínicos avançados demonstrou, até agora, “sinal claro” de eficácia em um nível mínimo de 50%buscado pela OMS, disse a porta-voz Margaret Harris, segundo a Reuters.

“Realmente não estamos esperando ver uma vacinação ampla até meados do ano que vem”

disse Harris durante uma apresentação da Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra.

As declarações da representante da OMS contrastam com as perspectivas da Rússia e dos EUA, que pretendem iniciar a imunização ainda neste ano.

Vacina russa

A Rússia deu aprovação regulatória para uma vacina contra a Covid-19, a chamada de “Sputnik V”, em agosto, menos de dois meses após os primeiros testes em humanos, levando especialistas a questionarem a sua eficácia e segurança. À época, a falta de estudos publicados sobre os testes russos gerou desconfiança na comunidade internacional.

Nesta sexta, resultados dos testes de fase 1 e 2 da vacina Sputnik V foram publicados na revista científica “The Lancet”, que é uma das mais importantes do mundo. Segundo o artigo, a vacina não teve efeitos adversos e induziu resposta imune.

Cronograma nos EUA

Na quinta-feira (3), autoridades de saúde pública dos Estados Unidos e a Pfizer disseram que uma das vacinas em desenvolvimento no país pode estar pronta para distribuição até o final de outubro. Este prazo é um pouco anterior à eleição presidencial norte-americana de 3 de novembro, na qual a pandemia do coronavírus deve ser um fator importante entre os eleitores que decidirão se o presidente dos EUA, Donald Trump, terá um segundo mandato.

“Esta fase 3 [de testes clínicos] tem que ser mais longa, porque precisamos ver quão realmente protetora a vacina é e também precisamos ver quão segura ela é”

disse disse a porta-voz da OMS, Margaret Harris.

Todos os dados dos testes têm que ser compartilhados e comparados, disse ela. “Muitas pessoas foram vacinadas e o que não sabemos é se a vacina funciona. Neste momento não temos um sinal claro se tem ou não o nível de eficácia e de segurança necessários.”

Fonte: G1

INSCREVA-SE

Receba nossas novidades em seu e-mail